• VISITAS

    contador de acesso grátis



  • shareppt


  • Tradutor

    English French German Spain Italian Dutch Japanese
  • Leve-me com você



  • Conheça também



  • Minha Fã Page




  • Sou membro




  • Parceiros





  • Eu Apoio

  • Meta

  • Li e Gostei











  • A Vida que a Morte Proporciona

    26/02/2016 por Sonia Costa
    Artigos

    “Um dos grandes mistérios da nossa existência é como um espírito eterno veio a envolver-se com um corpo físico, e como esse elemento físico é incapaz de resistir à ruína produzida pela passagem do tempo, e finalmente morre, livrando outra vez o espírito, de sua habitação de carne.” (Champlin, 2008)

    Pela Bíblia Sagrada sabemos que, ao formar o homem do pó da terra,  Deus assoprou em suas narinas o fôlego de vida (espírito), fazendo-o alma vivente (Gn. 2:7). Daí por diante entendemos que a cada nova concepção Deus cria uma nova alma.

    Deus não criou o homem com vida eterna. No Paraíso Deus prolongava a vida do homem dando-lhe a comer diariamente do fruto da Árvore da Vida, mas o proibiu de comer do fruto da Árvore da Ciência do Bem e do Mal.  Depois que o homem desobedeceu essa ordem, Deus o expulsou do Paraíso para livrá-lo de viver eternamente no pecado, pois com certeza, para não morrer, o homem continuaria comendo do fruto da Árvore da Vida. (Gn. 3:22)

    A Morte foi uma estratégia criada por Deus para livrar o homem do pecado eterno. Quando o homem morre, seu corpo se desfaz fisicamente, o espírito (fôlego de vida) volta para Deus (Ec. 12:7) e a alma vai para um lugar intermediário (paraíso – Lc. 23:43) onde fica aguardando a ressurreição dos mortos. (Gn. 2:17; 3:19)

    A Morte e a Vida andam praticamente juntas, porém sabemos, que no final dos séculos, quando o plano divino de salvação estiver sido consumado, a Morte será aniquilada para todo o sempre, para que a imortalidade da nossa alma tenha livre curso. (I Co. 15:26)

    Particularmente penso que um dos propósitos divinos em criar o homem, foi para suprir a terça parte dos anjos que, juntamente com Satanás,  se rebelou contra Deus. Para tanto, Deus nunca perdeu de vista o homem que criou, mas o amou com amor imensurável, a ponto de enviar seu próprio Filho Jesus Cristo para morrer na cruz do Calvário em nosso lugar, e nos trazer salvação e redenção do nosso corpo mortal. (Jo. 3:16-17)

    Os anjos se alegram quando um pecador se arrepende, pois eles foram enviados por Deus, para acamparem-se ao redor daqueles que temem a Deus e também para os proteger. (Ml. 4:2;  Lc. 15:10; Sl. 34:7; Hb. 13:2)

    Conforme a oração do Pai Nosso (Mt. 6:9-13), Deus quer que desejemos e peçamos a Ele para que nos traga Seu Reino sobre nós e que a Sua vontade seja feita assim na terra como no céu. No céu, os anjos rendem louvor e adoração contínua a Deus e nós que tememos ao Seu nome, também devemos adorá-lo continuamente, para que Seu Reino venha sobre nós ainda nesta vida.

    Deus procura verdadeiros adoradores, que O adorem em espírito e em verdade. (Jo. 4:23) Portanto se estamos com Jesus (II Co. 5:17), não precisamos temer a morte física, pois ela será apenas uma passagem para a vida eterna.

    Em 25/02/2016

    por Sonia Valerio da Costa

     

    Faça um comentário »

    Para Memorizar os Livros da Bíblia

    21/09/2015 por Sonia Costa
    Variedades

    Era uma vez….
    O Sr.GÊNESIS e o Sr. ÊXODO passeando.

    No caminho viram LEVÍTICO contando os NÚMEROS de DEUTERONÔMIO.
    Enquanto isso JOSUÉ estava a espera dos JUÍZES para irem ver RUTE que clamava em alta voz: SAMUEL, SAMUEL!
    Com o grupo, vinha o PRIMEIRO e o SEGUNDO dos REIS de CRÔNICAS para visitarem ESDRAS, NEEMIAS e ESTER, afim de se compadecerem do sofrimento de JÓ, seu irmão.

    Nesta visita perceberam que o Sr. SALMOS estava a ensinar seu filho os PROVÉRBIOS concernentes a ECLESIASTES e CÂNTICOS de SALOMÃO. Curiosamente, isto coincidiu com o período em que ISAÍAS e JEREMIAS estavam mergulhados em LAMENTAÇÕES por causa de EZEQUIEL, DANIEL e seus amigos. Naquele tempo OSEIAS e JOEL não estavam por perto.

    Três dias depois, AMÓS, OBADIAS e JONAS viajaram no mesmo barco com MIQUÉIAS e NAUM para Jerusalém. Além do mais, HABACUQUE visitava SOFONIAS que o apresentou a AGEU um amigo de ZACARIAS cujo primo era MALAQUIAS.

    Imediatamente após conhecermos a velha tradição, MATEUS, MARCOS, LUCAS e JOÃO praticam ATOS de bondade para com os ROMANOS que foram por duas vezes a CORÍNTIOS para ver como estavam os GÁLATAS que viviam ali.

    Naquele mesmo período os EFÉSIOS perceberam que os FILIPENSES estavam próximos dos COLOSSENSES, nisso enviaram duas cartas aos TESSALONICENSES para as fazerem chegar aos TIMÓTEOS que haviam ido à casa de TITO para ensinar FILEMOM seu irmão mais jovem a ler e ensinar aos HEBREUS.

    Ao ouvir isso, TIAGO pediu duas vezes a PEDRO para explicar como são as três cartas de JOÃO. Enquanto isso, JUDAS se impressionava com a visão antecipada do final do mundo, revelada em APOCALIPSE!!!

    (desconheço o autor)

    2 Comentários »

    Vivenciando a Restituição

    10/09/2015 por Sonia Costa
    Artigos

     

    Todos os anos, assim que termina o período da declaração do IR, quem tem imposto a restituir já começa a ficar na expectativa e até mesmo a fazer planos com esse dinheiro, porém não é sobre esse tipo de restituição que pretendo abordar neste artigo, mas sim sobre nossas conquistas durante a vida e que, devido a alguma adversidade acabamos perdendo o que alcançamos.

    O termo restituição significa receber de volta aquilo que nos pertence por direito. Em Biblia Sagrada, II Reis 8:1-6, temos um exemplo bastante claro a respeito de restituição, e é com base nesse texto que desejo fazer algumas considerações. A historia dessa mulher começa em Bíblia Sagrada, II Reis 4:8-37 quando ela conheceu o Profeta Eliseu.

    Para que sua compreensão possa ser mais efetiva, seria importante que você lesse os dois textos acima, antes de continuar a leitura deste artigo. Analisando o comportamento da mulher sunamita, identificamos cinco fases da sua vida, que merecem nossa atenção. Vamos então aprender algumas lições deixadas por essa mulher.

    Primeira fase – Adoração

    Ela identifica Eliseu como um homem de Deus e não mede esforços para abençoá-lo. Apesar de rica, ela não tinha filhos e naquela época a mulher estéril era desprezada. Mesmo assim ela adorava ao Deus Todo-Poderoso, tanto que, em comum acordo com seu marido, construiu uma pousada permanente em sua casa, para que o Profeta Eliseu se hospedasse ali, sempre que passasse por aquela cidade. Para Israel, a presença de um sacerdote, significava a própria presença de Deus, pois ele tinha autoridade de consultar a Deus e receber diretamente dEle um direcionamento para todas as circunstâncias do dia-a-dia.

    Segunda fase – Bênção

    Por ter abençoado a vida de Eliseu e lhe proporcionado um merecido conforto, Deus abençoou seu marido que, mesmo avançado em idade, teve sua virilidade restaurada para gerar um filho e ela pode ser recompensada com a dádiva de ser mãe e embalar um filho em seus braços. A partir de então ela passou a ser honrada e ter dignidade reconhecida diante da sociedade.

    Terceira fase – Fé

    Deus coloca sua fé em prova quando ela enfrenta a adversidade de ver seu filho morto. Com certeza ela pensou que Deus cairia em contradição se lhe desse um filho para perpetuar sua descendência e permitisse que ele morresse, antes mesmo que tivesse idade para gerar filhos. Foi assim que, imbuída de uma fé inabalável, ela correu para Eliseu para que ele orasse e Deus ressuscitou seu filho.

    Quarta fase – Confiança

    Quando ela estava totalmente estabilizada em todas as áreas da sua vida (familiar, emocional, espiritual e financeira), Deus, através de Eliseu, a direcionou para peregrinar em outras terras por sete anos, pois a fome assolaria a região de Suném. Ela obedeceu sem questionamentos e viveu durante sete anos na terra dos filisteus. Apesar dos filisteus serem inimigos potenciais de Israel, ela creu que Deus a protegeria em terras estranhas, pois já havia nutrido e vivenciado experiências profundas com Deus.

    Quinta fase – Prosperidade

    Passados os sete anos ela voltou para Suném e, por providencia divina, chegou no exato momento em que Geasi (servo de Eliseu), dava testemunho dela para o rei. As circunstâncias lhe foram totalmente favoráveis, e ela aproveitou para reivindicar ao rei, a restituição de sua casa e de suas terras. Ao ouvir seu relato, confirmando o que Geasi acabara de testemunhar, o Rei destaca um oficial para providenciar a restituição de tudo o que lhe pertencia, inclusive todas as rendas que a terra havia produzido, durante os sete anos que ela estivera ausente. Assim ela consegue a restituição de tudo o que lhe pertencia.

    Conclusão

    Vemos que a mulher sunamita era uma adoradora em potencial, independente das circunstâncias adversas em que vivia. Deus se agradou dessa sua atitude e a abençoou  com um filho. Deus provou aquela mulher quando permitiu a morte de seu filho, porem sua fé e confiança no Deus Todo-Poderoso foi fortalecida. Com esse aprendizado ela cresceu espiritualmente e se tornou merecedora de receber a restituição dos seus bens. Não foi necessário fazer campanhas de jejum e oração, porque a intimidade que ela nutria com Deus, foi a garantia de vivenciar uma vida abençoada, sem prejuízos financeiros, emocionais ou familiares.

    Muitas vezes pedimos insistentemente a Deus a restituição de algo que perdemos e Ele, por sua misericordia, até pode atender nossas orações, porém quando assumimos o compromisso de adorá-lo e obedecê-LO independente das circunstâncias, Ele não permitirá que venhamos a perder nossos bens e herança.

    Assim, a adoração que ministramos a Deus está diretamente ligada à rapidez das respostas das nossas orações. A adoração nos blinda dos ataques do nosso adversário. Porque “Deus procura verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade”. Biblia Sagrada, Jo. 4:23. Sejamos verdadeiros adoradores do Deus Todo-Poderoso, que criou os céus e a terra e tudo o que neles há e que se inclina para ouvir o clamor dos justos para os livrar. Bíblia Sagrada, Is. 65:24 e Lc. 1:87.

    Por Sonia Valerio da Costa

    em 10/09/2015

     

    Related Posts with Thumbnails
    2 Comentários »